Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coninhas

Ser Coninhas é um Direito!

Coninhas

Ser Coninhas é um Direito!

Diário de Maria ( Capitulo IV )

Ao fim de cinco anos a padaria de novo, quem diria? Júlio Padeiro tinha agora quarenta e cinco anos mas continuava a amassar o pão como ninguém e Maria tinha agora vinte e três anos e um corpo de se bradar aos céus, resolveu ir para a distribuição com a sua carrinha Ford Transit (que o Júlio tinha trocado pelo Fiat 127, bem a carrinha pelo menos só tinha nove anos ). Distribuía o pão “aviava” os clientes era um despacho a Maria, sentia orgulho de si própria.
Um dia recebeu uma triste noticia, o seu irmão Sacas tinha sido abatido a tiro pela GNR de ValdeVão quando se encontrava a estudar, a estudar ??? Sim a combinação do cofre do Banco de ValdeVão, dizem que ainda fez um refém, um pequeno caniche de cor amerdalada, mas de nada lhe valeu, pum pum foi quanto bastou para que o Sacas nem tivesse tempo de sacar.
Como Maria tinha trabalhado na rádio, vieram as televisões para fazer entrevistas à irmã do assaltante, Maria cheia de vergonha tentava desculpar o irmão pela sua difícil infância e foi tão comovente a história de Maria que foi primeira noticia dos jornais da noite.
A partir daí toda a vida de Maria iria mudar, porque muitos foram os que repararam na sua beleza e no seu corpo enfim nos seus atributos.
Começou por receber convites para fazer publicidade, o primeiro Spot de televisão filmado para uma empresa de produtos cosméticos, era para um gel de banho. Maria entrava enrolada na toalha de banho, primeiro entrava o peito no écran, passados dois minutos entrava o resto do corpo, até que corria a agua, caía a toalha e Maria coberta de espuma dizia com uma voz sensual: Com este Gel vejam só a minha pele....e zás nu integral, a única coisa que ficava tapada era a sua parte intima inferior e era só pelo frasco do Gel.
Bronca na feira, o Júlio Padeiro a primeira vez que viu o Spot com os nervos, deitou fermento a mais nas carcaças que depois de cozidas pareciam pães alentejanos de quilo e meio, espumava pela boca, revirava os olhos o homem estava possesso, também não admira era motivo de chacota do Bairro inteiro. “Granda naco ó Júlio” diziam uns “que coisa boa” diziam outros, ponto final o divórcio era o que lhe restava.
Maria essa, com vinte e três anos era agora uma mulher livre, choviam convites de todo o lado, para fotos, cinema, televisão estava tudo ao rubro com Maria.
O Vespas e o Ginetes que eram agora os melhores vendedores da feira da charneca sentiam orgulho da sua irmã. O Miguelito tornou a irmã presidente honorária dos alcoólicos anónimos (agora (en)tornada associação) e andou bêbado cinco dias a comemorar o sucesso nem ele sabe do quê. O Zeca Navalhas que vivia agora com o Joãozinho das Meiguices e tinha um show de travesti na famosa boate “ Apálpamus “ viu o seu cachét subir em flecha devido à notoriedade da irmã. E Joaquina e Liliana que continuavam a viver juntas, continuaram a viver juntas e não me digam que ainda ninguém sabe porquê?
O Alberto foi o único que se desempregou, deixou a Universidade e foi para agente da irmã ou melhor para guarda costas ou melhor para motorista, bem pau para toda a obra.


Foi numa festa do Jet Set que começou o verdadeiro romance, eram precisamente 21h45 numa tarde soalheira do mês de Agosto, (que coincidência, sol em Agosto), que Maria depois de sair da gravação em estúdio da Novela “Corpo Escaldante”, se dirigiu para a festa, ali para os lados de Belém, no seu carro BMW 320 D conduzido pelo Alberto, que tinha colocado na traseira do BM o cãozinho de loiça herdado do Julio Padeiro, Valha-me Deus um cão de loiça? Maria irritada com as saloiadas do irmão fez voar o cão pela janela e zás, borda fora, por pouco não acertava na cabeça de um GNR que vinha de moto atrás do BM. Bronca na feira, sirenes ligadas o agente estava fulo e mandou a Alberto parar.
- Então o que é que vem a ser isto? Cães a voar pela janela??
- Desculpe senhor guarda, mas era de loiça!!
- Está a brincar comigo, ia-me acertando com o cão...
- ...Mas, Mas...
Nisto Maria desce o vidro eléctrico do BM e diz com a sua voz sensual...
- Porra, senhor agente despache-se lá que estou atrasada para a festa, ou multa, ou não multa...
- Ãh a senhora é, é, é,...
(Agora tinha de me tocar um gago pensa a Maria)
- ...a Maria, a Actriz...bem...
- Quer um autógrafo senhor agente?
- Por gentileza se não for incomodar muito...é que tenho lá um rapaz em casa, que só fala em si, dá beijos na televisão e tudo...outro dia...
Maria interrompe:
- Tome lá, e agora posso seguir?
- Pois sim, e... desculpe!
E lá foi a Maria a pensar: Que raio de policia nós temos, ia levando com um cão de loiça na carola e ainda me pede desculpa. ( Continua...)